Sobre

Minha paixão pela criação, beleza e feminilidade me levou a me formar em estilismo, em 2004, pelo Senac São Paulo. Deixar as pessoas mais bonitas é uma coisa que sempre me fez feliz.

Como meu primeiro estágio foi na revista Bons Fluidos, apesar de fazer produção fotográfica, eu adorava as reuniões de pautas e acompanhar o desenvolvimento das matérias. Este amor me levou a me formar em jornalismo na Cásper Libero, em 2007.

Juntando esses meus dois amores, resultou neste blog (e livros, muitos e muitos que virão) para deixar as pessoas mais bonitas, por dentro e por fora.

A transformação pessoal requer substituição de velhos hábitos por novos. – W.A. Peterson

Advertisements

#FicaDica: Manual de Ervas para os Ciclos Femininos

Em janeiro, eu conheci o blog Matricaria através de um post de uma amiga no facebook. O post era sobre o e-book (de 10 páginas e gratuito): Manual de Ervas para os ciclos femininos, da doula e acupunturista Mariana Almeida.

É um guia simples e funcional com dicas de banhos, chás e ervas que ajudam em todos nossos processos femininos (cólicas, amamentação, TPM, gestação…). Vale a pena a leitura e usar as receitas, porque além de naturais é mais uma oportunidade para entrar em contato com a nossa sabedoria ancestral. Afinal, quem aí não tem receitinhas caseiras da avó ou então já fez um cházinho sem saber as propriedades da erva e milagrosamente ele curou?

Foto do Matricaria,  blog fofo que tem como lema ser “Um guia virtual de ecologia feminina”

Nós mulheres e a Lua

Nunca me esqueço da primeira vez que fui à Catedral de Notre-Dame em, Paris. Eu tinha 19 anos e fiz uma cultural de história da arte e da moda com o professor João Braga. Suas aulas de história da moda eram as minhas favoritas da faculdade de moda.

Além de sua arquitetura majestosa, me lembro que enquanto o professor ia descrevendo sobre a história da catedral eu ia acompanhando com meus olhos cada detalhe de sua construção. Para mim, aquela catedral é uma das poucas que me tocou e acolheu. Ela tem uma ligação fortíssima com o feminino sagrado.
Sabemos que o ciclo menstrual da mulher acompanha o ciclo lunar de 28 dias. Pois bem, este número também está presente na Notre-Dame: do lado de fora há 28 estátuas de reis e a cada dia a lua ilumina a face de um. Dedicada à Virgem Maria (Deusa Mãe) esta é a minha catedral favorita da vida.
Essa sabedoria da lua ligada ao ciclo feminino e a Deusa (a mãe, a terra, o feminino) sempre me causou curiosidade, mas só recentemente comecei a ler mais sobre este assunto e a cada dia descubro incríveis. Assim que compreender mais, colocar em prática e dar o meu veredito prometo que escrevo aqui.
Fachada da Catedral Notre-Dame, em Paris e seus 28 reis
Na astrologia, a lua está ligada às emoções, e os signos do elemento água (peixes, escorpião e câncer) são os mais emocionais do horóscopo. Sabemos que a lua interfere nas marés, ou seja, nas águas e nas emoções. A origem da palavra menstruação é “mudança de lua”.  Há pouco tempo, afim de um autoconhecimento e aprofundar a minha ligação com a natureza, comecei a anotar em quais luas vivo o meu ciclo. Está sendo uma experiência um tanto quanto divertida!
Tem uma astróloga famosa chamada Márcia Mattos que escreve anualmente “O livro da Lua”. Cada  dia do ano tem uma página contando os horários, signos onde a lua estará e para que aquele momento é ou não favorável. 
Usei por muito tempo este livro como se fosse um guia “das forças astrais”. E mesmo fazendo mais de dez ano sem ter o “guia” em mãos, eu peguei o costume de saber em qual lua e signo estamos para eu entender porque às vezes acordo no meio da noite “sem explicação” ou por que as pessoas estão mais neuróticas do que de costume… enfim, para mim é inquestionável a influência da lua sobre as emoções.
Calendário lunar de 2015, se alguém quiser salvar 😉
E pela primeira vez na minha vida começo a criar o meu calendário lunar. Como uma espécie de diário, estou anotando a lua que está no céu e o dia que estou no meu ciclo (minhas emocões, pensamentos, vontades, medos). E como eu esperava, está sendo possível perceber ainda mais a minha conexão – corpo e psique – com a senhoura da luz prateada. Acredito que todos humanos são, mas principalmente nós mulheres. 
Lembro-me na infância da minha mãe fazer dietas da lua. Assim como (até hoje) ela tem “a lua certa” para plantar flores ou então para pintar e cortar o cabelo. Estou ainda em fase de experimento, mas o pouco que descobri nos últimos três meses, só me fazem querer ir mais a fundo nessas experiências. Se você nunca pensou sobre esta ligação entre a lua e nós, meros humanos, deixo aqui um convite. E prometo em breve postar algumas “dicas lunáticas”, afinal é “bem-coisa-de-menina” uma receitinha simples para nos deixar mais bonitas, felizes e plenas ;).

Mais saúde, Menos remédios

{Se você pensa que viver saudável custa caro, então experimente viver doente}

Isso é muiiiiito verdade! Hoje estou super feliz porque fui buscar meu check up e estava tudo lindo. Hormônios, colesterol, glicose… Valeu a pena investir em cada orgânico, diminuir quantidades, colocar horários e comer mais vezes ao dia, exercícios físicos (mesmo que leves, mas constantes).

Prefiro muito mais gastar dinheiro com comidas orgânicas, evitar os processados e ter uma rotina mais amorosa com meu corpo do que gastar com remédios para “consertar” as besteiras que fiz comigo mesma. 
Digo isso com muita propriedade porque já fui super junky, super impulsiva, e provar para mim mesma que tudo isto valeu a pena é muuuito gratificante. Mesmo que no início foi um pouco sofrido, pronto! Passou. Um ano depois, tudo está em ordem e eu estou aqui, me sentindo melhor, mais disposta e mais saudável do que quando tinha 20 anos e pesava a mesma coisa.
Tem coisa melhor do que comer bem e comida que nos faz bem? Viva a vida e sua sabedoria. Alergias, sinusites, candidíase (e suas montanhas de remédios que tomei) serviram como pontes para  me colocarem no caminho certo. Me ensinaram como me tratar melhor sem precisar mais sofrer desses “males”. Que feliz! 😀

Reflexão: 8 citações

Eu curto muito os livros do Paulo Coelho e sigo ele no Facebook. Diariamente ele traz cards ou reflexões bacanas. Em algum dia desta semana li esta citação em inglês e achei ma-ra-vi-lho-sa. Sabe aquela leiturinha que fica na cabeça? Em diferentes momentos do dia, eu me lembrava de alguma frase e ficava atenta aos meus pensamentos e sentimentos.  Achei tão válida a leitura porque realmente ressoou dentro de mim, então vou traduzir aqui e quem sabe dá um eco aí dentro de alguém também 😉

Foto de Elena del Palacio


8 pontos importantes sobre a vida (citações dos livros do Paulo Coelho)

1) Todos aqui temos um propósito.
“Não importa o que ele faz, cada pessoa na Terra desempenha um papel central na história do mundo. E normalmente ele não sabe disso.”


2) A única coisa entre você e seu sonho são os seus medos.
“Não se entregue a seus medos. Se você fizer isso, você não será capaz de falar com seu coração.”


3) Os erros são parte da vida.
“Quando você encontrar o seu caminho, você não deve ter medo. Você precisa ter coragem suficiente para cometer erros. Decepção, derrota e desespero são as ferramentas que Deus usa para nos mostrar o caminho.”


4) Não busque o amor fora de você.
“O amor não é para ser encontrado em outra pessoa, mas em nós mesmos; nós simplesmente o despertamos. Mas, para fazer isso, precisamos de outra pessoa.”


5) Quando você muda, o mundo inteiro muda com você.
“Quando amamos, nós sempre nos esforçamos para nos tornar melhores do que éramos. Quando nos esforçamos para nos tornarmos melhores do que éramos, tudo a nossa volta se torna melhor também.”


6) Cuide da sua vida.
“Todo mundo parece ter uma idéia clara de como as outras pessoas devem conduzir suas vidas, mas ninguém sabe sobre a sua própria.”


7) Ninguém é responsável pela forma como você se sente ou não sente.
“No amor, ninguém pode prejudicar ninguém; nós somos apenas responsáveis por nossos próprios sentimentos e não se pode culpar alguém por aquilo que sentimos.”


8) Abrace a sua autenticidade
“Se você quer ser bem sucedido, você deve respeitar uma regra – Nunca minta para si mesmo.”

Já somos doces

Nós mulheres somos docinhas docinhas quando estamos apaixonadas. Também somos doces cozinhando para o nosso amor, quando estamos arrumadas e perfumadas para sair. Somos doces e gentils com as crianças, com as plantas, com os mendigos. Temos um aroma doce como as flores, por isso as apreciamos tanto. Somos muito doces após uma noite bem dormida. Somos doces quando estamos ocupando o nosso tempo com coisas que amamos. Somos docinhas com as amigas. E também doces quando seguramos uma taça com um champagne fino. Doces quando dançamos. Doces quando rezamos.

Nós já somos doces. Basta nos conectarmos com a doçura de nossas almas. 
******************We already have enough sugar*****************
Coma menos açúcar, você já doce o suficiente 🙂

E você? O que te adoça?

(me lembrei daquela música bregíssima dos anos 90 “Adocica meu amor, adocica a minha vida”, hahaha)

Três pontos-chaves

Com todas as alergias que tive nos últimos anos, eu aprendi que fui responsável por cada uma delas devido ao que eu comia. Uma vez fui em uma nutricionista que me explicou que quando comemos demais algum nutriente por um longo tempo, é como se o nosso organismo tivesse uma overdose daquele nutriente. Assim, eu desenvolvi intolerância a lactose, glúten e mais recentemente (que abordo no livro) alergias relacionadas ao excesso de açúcar.

Com este histórico ao longo dos últimos cinco anos, tive que aprender na marra a balancear minha alimentação. Se eu como glúten no café da manhã, não repetirei no almoço ou no jantar. O mesmo com o açúcar e lactose. Parece mais difícil na teoria do que é na prática. 
1 cubo = 1 colher de sopa de açúcar (foto do blog Food Facts)
A verdade é, eu emagreci oito kilos em dez meses comendo alimentos frescos, evitando açúcar, glúten e lactose. Desde sempre a minha prioridade era a minha saúde (e não meu peso, acabar com a barriga flácida e corpo no shape). 
Aliás, bom eu falar aqui desde djá que a “neurose-malhação-fitness” também me dá alergia kkkk. Acho que as pessoas vão para extremos sem se darem conta. Outro dia ouvi sobre uma menina que teve hérnia no abdômen de tanto malhar. Gente, não é possível que os seres não despertem para vida. Isso não é saudável, é neurose.
E eu, na minha humilde opinião (de jornalista, estilista e alérgica = não sou médica-nutricionista nem personal trainer, mas sou cobaia do meu próprio corpo) acredito que o saudável está ligado a três comportamentos chaves:
1) alimentação saudável (e não só consumo de suplementos)
2) mente calma (meditação, massagem, banhos longos, tudo que desacelera a nossa mente) 
3) espírito otimista (porque a pessoa que só reclama de doença sempre estará doente mesmo).

(ao meu ver somos mesmo corpo, mente e alma)

Aliás, surgimentos de apps como o headspace, para se praticar meditações de 10 minutos diários são só mais um exemplo do quanto um equilíbrio geral é importante para mantermos nossa sanidade neste mundo de loucos.
Acho que cada um tem uma forma de administrar seu tempo e o que é prioridade na vida. A minha experiência me ensinou que comer bem faz bem para o meu corpo e que me deixa mais bonita naturalmente. A meditação faço duas vezes ao dia, depois do café da manhã e outra antes de dormir (antes fazia só uma vez por dia, até pegar prazer pela coisa e querer mais por realmente sentir diferença no meu dia-a-dia). E a yoga ou caminhada faço diariamente. Ambos ajudam a oxigenar meu corpo, é um tempo para ficar comigo mesmo, fazem bem para o meu corpo (e friso que minha meta não é ter uma coxa musculosa, anseio apenas por um corpo com saúde).

Com todo este combo percebi que minha ansiedade também diminuiu – é lógico que tem dias agudos, mas está mais fácil para eu controlar porque estou percebendo antes dela estourar. Auto-controle, no controle é tudo de bom minha gente! 😀

Descobertas lá dentro

Em 2014, aos 31 anos, passei por uma mudança interna de valores. Não sei se foi a idade avançada, o casamento, as questões de saúde, mudança de trabalho ou tudo isso junto que me fizeram cansar  das repetições da vida e resolvi largar o máximo de coisas que não faziam mais sentido para mim.
Eu acredito muito na felicidade em Ser (e não no ter). Depois de dez anos na moda, vivendo integralmente o consumismo mas sempre buscando um equilíbrio espiritual, notei que um equilíbrio geral me faria muito mais feliz. 
Dar sentido a cada dia da minha vida (e não ser só mais uma neurótica no trânsito de São Paulo correndo atrás de dinheiro para pagar as contas) fez sentido para mim.
Então resolvi fazer uma listinha de “fichas que caíram”. Algumas atitudes e pensamentos simples que mudei e que me ajudaram muito. Quem sabe não te inspira também. Aqui vai:
1) Trocar o último lançamento de corretivo (da M.A.C., Nars, Benefit) por noites bem dormidas: cuidar da minha alimentação, dormindo minhas oito horas (se não mais) me fizeram abandonar todos os truques para esconder as imperfeições. Um, elas diminuíram e dois, as que restaram resolvi abraçar ao invés de julgar ou reclamar. (sem falar que namorar é o melhor iluminador do mundo, né gente?)
2) Ouvir música assim que eu acordo, traz uma vibe deliciosa para o meu café da manhã. Já fico alto astral, bem-humorada, cantante e dançante. Acredito muito que coisas boas só vem para quem está no bem. E tem algo mais do bem do que o nosso próprio bom-humor?
3) Parar com as minhas desculpas para fazer yoga. Me indicaram um vídeo de 15 minutos no youtube que faço diariamente. De manhã ou a noite. O ponto é, não tenho mais a desculpa da chuva, do carro, do frio. A única coisa que preciso é meu comprometimento comigo mesma. E o yoga diário me faz muito bem.
4) Menos televisão, mais livros. Gente, me encheu o saco as novelas. Devo confessar que desde a Carminha já tinha me desapegado bem. Sem querer, criei o costume de ler a noite (às vezes ouvindo músicas calminhas – clássicas ou new age). Me relaxa muito mais do que ver TV ou ficar na neurose do facebook, ou então, tensa por alguma novela que já sei qual será o final.
5) Transformar meu banho (todo Santo dia) em um ritual. Pode ter velas, música, cristais, sei lá, o que eu estiver inspirada no dia. Entrar debaixo da água e apreciá-la correndo pelo meu corpo (ainda mais agora que estamos economizando aqui em SP) e me permitir relaxaaaar de verdade (praticamente uma massagem). Uma coisa que também comecei a fazer é quando tive um dia mais denso, pesado, difícil, depois do banho jogo sal grosso pelo corpo todo (bem com intuito de “sááái zica”) e imagino que o sal está limpando tudo aquilo.
6) Desapego material! Coloquei uma regra que é assim, cada coisa nova que entra no meu armário,  preciso tirar algo  também para manter o equilíbrio. Além de dar roupas (acessórios, coisas de casa) para as amigas, empregada, centros espíritas também abri uma lojinha no Enjoei. Desapego e dinheirinho extra. Quem não quer?

Minha lojinha no Enjoei 🙂

Bem-vindos

Olá!

Eu sou Helena, estilista e jornalista de formação. Curiosa de plantão e mística nas horas vagas. Tenho uma alma trendetter… Ao longo do tempo percebi que tudo o que eu falo, faço ou penso….depois de um tempo, mais pessoas aderem. Sempre foi assim, desde criança com meus estojos e canetinhas, com minhas alergias, com minhas viagens, com o meu estilo de vida.

Escrevi um livro que leva o mesmo título do blog, enquanto não publico, vou expor algumas ideias aqui.

Sejam todos bem-vindos!